sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Aparências

Vestiu-se, beijou as filhas, e foi-se.
Tomou cuidado ao fechar a porta,
Um conhaque, fôlego e seu caminho.

Cansada, não do marido, nem da família;
Da vida que levava. De novo, só o estofado
Comprado em três vezes nas casas Bahia.

Um homem que não conhecia,
Ruas que nunca ia,
Mentiras que não fazia.

Maria nunca quis ser Maria,
Hoje era de volta aquela menina
Que queria experimentar nicotina.

A desgraça são as roupas atrevidas
Maria foi morta pelos tiras
Confundida com mulher da vida.

Os policias se desculparam
- Defensores da moral e eucaristia -
Quando deu na notícia:

Maria era mãe de família.

3 comentários:

Ana disse...

Maria era mãe de família. Mas talvez preferisse ser a que os policiais matavam...

Boa!

Clarissa disse...

uau!! Adorei.

Juliana Cintra disse...

Ótimo, ótimo, ótimo Alan...

Fatos reais desta vida louca.

Mto bom lindo.

bjux bjux.