segunda-feira, 4 de junho de 2007

Era um barco...

Era um barco. Agora é pássaro, e niguém pode prever o que será daqui a pouco; Esses segundos que passam são mágicos, mas não espalhe por ai. É o bolo que cresce, sozinho e colorido, a temperaturas carnavalescas, é a criança que chora baixinho, com muita sinceridade em cada lágrima, é o sol indo dormir e mesmo assim radiante. É quase tudo que sempre fica pra trás.
Agora é pássaro. Mas um dia foi barco, e ninguém mais se lembra do que fora antes disso. É a vida de alguém especial em seu anonimato e naturalidade. É a amizade que vira amor, e depois volta a ser amizade, todo fim de tarde.
Agente aperta bem os olhos, parece até japonês, para ver o barquinho se perder em seu caminho, e naquele momento agente sente que tudo na vida é maior, descobrimos todas as respostas, e esquecemos; Que graça há? O olho prende o barco mais alguns instantes, parece que num quer largar, mas larga, devagar cede, e passa um último carinho-golpe-de-vista; Acredite sim senhor, que quem ama a distância aprende a acariciar só usando os olhos.
Quando esse sentimento vem, da vontade de virar azul e dormir até agosto, da vontade de comer doce e de assistir filme. Da vontade de ficar sozinho, mas que pelo menos sempre tenha alguém ao alcance. Da vontade de num ter mais vontade nenhuma.


Agora já nem é mais pássaro, muito menos barco.
Agora talvez nunca tenha sido nada.


-----------------

"Será que é verdade? Será que toda vez que pisco Deus passa correndo, fazendo caretas e dando cambalhotas?"

2 comentários:

lucas l. disse...

aproveitando a deixa...
cristóvão colombo ensinava ao seu filho as suas verdades, a ver como ele olhava o mundo.
-tá vendo aquele barco?... fica olhando ele...continue olhando..."
-ele sumiu.
-pois é...a Terra é redonda!

PRIMO disse...

Alanzinho meu irmão, como sempre vc colocando poesias lindas hein véio... cada dia q passa vc está c mostrando um Poeta de Primeira brother, meus parabens...

Abração IRMÃO, te amo!!!

te cuida...