domingo, 9 de setembro de 2007

Moinho

Moinho,


pode ser de vento
pode ser de água
por até ser carro de boi,

mas tritura
amassa
rasga

e pouco tempo
o que era caroço
agora é farinha
que pode usar até para adubar
aquela maldita erva daninha
que não cansa de nascer
sempre
entre o cercado e a vida
entre a lembrança e a decisão
entre o que fui ontem
e o que posso ser amanhã...


eu quis ter no meu jardim
só daquelas plantas que nascem
assim, bem sem querer
ouvi o português e todos os outros eus
agora, daqui da entrada
que não é principal porque ninguém passa
pode-se ver o que eu quero mostrar
mas nos quintais do fundo
tenho da minha criação
tudo o que quiser nascer
é bom não escolher
deixar que da terra brote a surpresa
que rompa as certezas
é bom ser natural
ser inteiro
ser pequeno
é bom.

E se de toda essa história, sobrar um caroço...

Moinho!